4 de abril de 2014

Festival de Teatro de Curitiba - Fringe 2014

   A peça experimental  "Relicário de Concreto",  veio com premiações na bagagem, foi contemplada pela 20ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo, em 2012, e também recebeu o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz, em 2013. O espetáculo, que estreou ontem (29/03), às 21h, no Teatro Cleón Jaques, agora viaja pelo país levando o experimentalismo e o teatro participativo, além das reflexões sobre o trabalho ao público de todo o Brasil.
   O Grupo, sediado no bairro de Perus, periferia de São Paulo, conta a história de uma fábrica com ligação ao bairro. A peça é montada com as memórias dos moradores que trabalharam nesta fábrica, sem que eles tenham o nome revelado, e que hoje é uma imensa ruína. A encenação traz uma reflexão  logo antes do espetáculo, quando são entregues fichas de emprego para todos preencherem, retratando um pouco da peça, que se inicia com uma greve.

   Com muito pó de cimento no palco e blocos de concreto, os personagens correm por todas as partes do palco, numa transpiração agonizante e escrava de um regime explorador, que castra os sonhos dos mesmos. O ponto alto do espetáculo é quando a plateia é convidada a jogar uma bexiga d’água em um “pelego” que trai a greve, e vai contra seus sonhos, em prol do trabalho, encharcando o palco com uma mistura de água e concreto por todos os lados, numa atmosfera sombria e asfixiante.

   A interatividade não para por aí, em certo momento um funcionário da fábrica, embriagado e reflexivo, convida a plateia a se embriagar com ele, oferecendo-lhes um copo de cachaça. Todos bebem e brindam, recebendo muitos aplausos ao término do espetáculo.


Por Bruno Bueno Requena
Fotos: Luh Silva






Um comentário:

ENOQUE DA SILVA disse...

Aí está a chave do sucesso interatividade com o público é um ingrediente indispensável, eu assisti a peça e adorei pessoal PARABÉNS PANDORA, artistas que aos poucos conquistam seus espaços!!