19 de janeiro de 2011


“Olha no espelho e enxerga tuas costas.
Deixe tuas mascaras
No armário antes que ela te use como mostruário.
Comece a enxergar a humanidade como macacos sem pelagem
E enxergara um aroma de sonhos dentro de
Uma cabaça selvagem.
Mastigado e engolido pelo teu ego
Mergulha-te  
E achará estranhas as tuas entranhas
Ânsia  
O corpo expulsa o corpo
Vomita-te
Omite-se
Imita-se.”


    Valmir Cruz





Um comentário:

Amanda disse...

Valmir, tu tá escrevendo MUITO rapaz! a d o r e i !